quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Meus sobrinhos


Mexem no armário, derrubam os pratos
Sobem na cama, derrubam os travesseiros
Entram no banheiro, molham-se feitos patos
Derramam todo shampoo embaixo do chuveiro.

A mãe da pia grita: “parem de chutar os gatos
Andem vamos fechem logo este maldito lixeiro
Botem onde vocês acharam estes sapatos
“Nem se atrevam jogar no chão o chaveiro”.

Levam umas boas chineladas choram a gritar
Passam alguns minutos sentados comendo
E esfarelando biscoito e pão na sala e no sofá.

Depois la estão eles pela casa a desarrumar
Na geladeira sem permissão remexendo.
Sobrinhos incansáveis, magia de qualquer lar.









terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Alívio Imediato


O melhor esconderijo, a maior escuridão
Já não servem de abrigo, já não dão proteção
A Libia bombardeada, a libido e o virus
O poder o pudor os lábios e o batom

O melhor esconderijo, a maior escuridão
Já não servem de abrigo, já não dão protecão
A Libia bombardeada, a libido e o virus
O poder o pudor os lábios e o batom

Que a chuva caia como uma luva
Um diluvio um delirio
Que a chuva traga alivio imediato
Que a noite caia de repente caia
tão demente quanto um raio
Que a noite traga alívio imediato

Há espaço pra todos ha um imenso vazio
Nesse espelho quebrado por alguém que partiu
A noite cai de alturas impossíveis
E quebra o silêncio e parte o coração

Ha um muro de concreto entre nossos lábios
Ha um muro de Berlin dentro de mim
Tudo se divide todos se separam
Duas Alemanhas duas Coreias
Tudo se divide todos se separam

Que a chuva caia como uma luva
Um dilúvio um delírio
Que a chuva traga alívio imediato
Que a noite caia de repente caia
tão demente quanto um raio
Que a noite traga alívio imediato

Todos se separam
Tudo se divide
Todos se separam

Que a chuva caia como uma luva
Um diluvio um delirio
Que a chuva traga - alívio imediato
Que a noite caia de repente caia
tão demente quanto um raio
Que a noite traga - alívio

A melhor banda de pop de todos os tempos.