sábado, 23 de abril de 2011


O pensante leva sempre uma expressão de dor e solidão em sua face.

domingo, 3 de abril de 2011

Amadurecendo


Desde menino canto a poesia indiferente
A poesia incompleta dos livros de gramática.
Os livros nunca foram pra mim enfeite de estante
Estive em toda minha infância apegado aos livros
Poucos livros que me alcançavam e não eu a eles
Lembro de minha mãe gritando:
-Para de estudar você vai acabar enlouquecendo
Ainda vai estragar a vista.
Nunca precisei usar óculos para ser bom leitor
Sempre fui leitor alvoroçado
Tentando alcançar o fim aumentando a velocidade da leitura
Sem se preocupar com o atropelo as palavras.
Hoje bem sei que uma boa leitura é aquela
Em que os olhos se encarregam de passar as páginas.
E que a poesia completa
Aquela curta e certa
Encontra-se em todas as vidas completas e incompletas.