quinta-feira, 27 de junho de 2013

Família





Fico a observar uma planta e seu intenso elo com a terra e penso: se retiramos essa planta da terra e pusermos em qualquer outro lugar destituído de todos os nutrientes que a planta necessita para sobreviver ela logo, murcha, seca e morre. Ou seja, a planta necessita da terra para sobreviver. Não é diferente para qualquer membro familiar, a família é como a terra e nós a planta com suas múltiplas raízes que precisa se fixar a terra para poder crescer, frutificar, sombrear. Precisamos de apoio moral, educativos e sociais esses são os nutrientes que a família tem para nós oferecer. Longe desses nutrientes murchamos, secamos e presos ficaremos com nossa consciência defasada dentro de um sistema improdutivo da sociedade. Sem a família não passamos de um estágio mal formado, um aborto sobrevivente para a sociedade criar como bem entender. Só a família sabe fortalecer nossas raízes, só ela possui toda uma camada de proteção que nos garante chegar à infinidade limitada ao nosso ser. 

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Seu Manoel

Um homem guarda suas recomendações
no mais fundo poço de suas sabedorias
e seu Manuel tem na alma uma iguaria
de pensamentos e demagogias que
surgem no momento exato do
distúrbios de ideias, do trabalho
forçado entre um momento e outro.

Seu Manuel tem na alma um jeito
inteligente de lidar com os ânimos
desconhecidos, na fala o mais
impressionante consegue unir sua
sabedoria com falar extraordinariamente
bem. Tem na voz um encanto fatal.

Tem firmeza na base sólida dos pés,
que segura o corpo imerso a tantas
histórias de vida, a tantos momentos
vividos e nenhum pequeno atrito
com as pedreiras que barram o
caminho, tem saudades escondidas
no peito saudades de alguém muito
importante ao falar se sente a
nostalgia saindo em forma de lágrimas
de seus olhos, pequenos olhos de bom amigo.
Seu Manuel de vida tão longa, um pouco
farta outro pouco falta alguma coisa, algo
na parte vegetativa em que todo homem
deseja deixar como a herança de seu próprio
sangue , de sua própria carne, um herdeiro
de sua imagem, que carregue os mesmo
pesos. Seu Manuel não teve um filho
mas tem pelas pessoas o carinho de
quem ama como pai.

Seu Manuel nossa amizade não limita-se
na extravagância que estende-se em nossas
idades ela prolonga-se quando do teu
pequeno espaço vou conhecendo pouco
a pouco na relação que temos no cotidiano
de agora e sempre.

Seu Manuel você é o avó que nunca tive.


Dedico este poema a uma das mais encantadoras pessoas que
já vi na minha vida, seu Manuel não é um homem qualquer é um
sábio, mestre na arte de aconselhar, ensinar, capaz de derrubar as barreiras da amizade, Seu Manuel assim como avó você também é o amigo que nunca tive, obrigado.

A minha tristeza é a de nunca ter dito tudo isso pessoalmente.